Top Menu

As Bruxas na Escócia

Caça às Bruxas 2

O século XVI foi marcado pela disputa entre a Igreja Católica e a Reforma Protestante. Esta disputa e divisão generalizada tanto no Reino Unido como na Europa alimentou o medo de que o Julgamento Final estava próximo. Os católicos acreditavam que este levante dos protestantes era um sinal dos trabalhos do anticristo enquanto os protestantes viam a corrupção da Igreja Católica como a prova de que o demônio e o fim dos tempos estavam próximos.

Nesta mesma época, chegavam da Europa muitos livros sobre Bruxaria que evocavam as pessoas a tomar uma firme atitude na batalha contra as bruxas e a magia negra.

Foi neste contexto que o rei Henry VIII apresentou o primeiro estatuto inglês sobre a Bruxaria (1542), seguido por uma legislação muito mais dura por parte da rainha Elizabeth I (1563) e do rei James I (1604).

Estima-se que mais de 4.000 “bruxas” (incluindo alguns poucos “bruxos”), foram executados durante a época da “Caça às Bruxas”, entre 1590 e 1722. Colocamos bruxas entre aspas para que fique claro que muitas mulheres e homens que foram executados não eram bruxos. Na verdade qualquer pessoa podia ser acusada de bruxaria. A maioria eram mulheres. Era comum acusações sem cabimento e motivadas por conflitos pessoais. Como as acusações podiam ser anônimas e algumas igrejas colocavam à disposição dos fiéis caixinhas onde eles podiam deixar bilhetes com os nomes para serem passados às autoridades, era muito fácil utilizar o sistema para vingar-se de outras pessoas.

Alguns casos, como o da mulher que após discutir com a sua vizinha a acusou de haver jogado uma praga que pegou e então a denunciou por bruxaria, é um bom exemplo. Muitos homens que queriam se livrar das suas esposas também utilizavam o sistema. Se a mulher o estava traindo por exemplo, ele não ia querer passar pela humilhação de tornar pública a traição porém podia inventar que a tinha visto voar com o demônio e já era o suficiente para que uma investigação fosse aberta.

Caça às Bruxas 1

Muitos tomaram a caça às bruxas como um objetivo pessoal e organizavam de forma privada investigações para reunir evidências para futuros julgamentos de possíveis bruxas.

O uso de tortura para obtenção de confissões era ilegal na Inglaterra, Irlanda e País de Gales, porém era permitido na Escócia onde muitas confissões foram resultados de horas de tortura, ou seja, quando a pessoa já não podia negar mais. Um dos métodos muito utilizados era a privação do sono na qual os torturados não podiam dormir e o cansaço que tomava conta era tão intenso que a pessoa chegava a um estado de ilusão e delírio. Outros métodos muito menos agradáveis incluiram parafusos e trituradores de ossos das mãos e pernas.

Na Inglaterra, as bruxas eram somente enforcadas, mas aqui na Escócia a Mary Queen of Scots estabeleceu o decreto de Bruxaria que declarava que as bruxas deveriam ser estranguladas e queimadas. Mary acreditava que as queimando suas almas seriam libertas do demônio. Muitas foram queimadas vivas. A última bruxa executada foi Janet Horne em 1722 e a lei foi finalmente abolida em 1736.

Fonte das Bruxas Edimburgo, Escócia

Ao lado do castelo de Edimburgo se encontra uma fonte de aço forjado chamado Witches Well (Fonte das Bruxas). Foi neste local na Castlehill (extremo oeste da Royal Mile) onde mais de 300 pessoas condenadas por bruxaria foram queimadas entre 1479 e 1722.

Nenhum outro lugar na Escócia foi palco de mais execuções de bruxas que este!

Na Fonte das Bruxas se encontra uma placa que diz:

“Esta fonte, desenhada pelo John Duncan, se encontra próxima ao local onde muitas bruxas foram queimadas. A cabeça perversa e a cabeça serena (se refere às imagens esculpida na fonte) significam que algumas delas utilizaram seu extraordinário conhecimento para o mal enquanto outras foram mal interpretadas pois desejavam nada mais que o bem dos demais. A serpente tem duplo significado, representando o mal e a sabedoria.”